Sávio Barbosa - Maluquice Bolsonarista sem limite.

Categorias

Mais Lidas

Maluquice Bolsonarista sem limite.

Esta semana o bolsonarismo bateu no peito pra dizer que a Caixa Econômica Federal está fazendo a macrodrenagem do Tucunduba. Isso mesmo, estão dizendo que o banco está fazendo a obra. Narrativa tem limite e o povo não é idiota. Até os urubus do Veropa sabem que a Caixa empresta dinheiro – não faz obra. E cobra por isso. E se não pagar, toma casa, carro, cachorro e papagaio. Além de sujar o nome do tomador no mercado.

Do deputado cabeleira se espera qualquer coisa, mas o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, anda surpreendendo. Se dizia que era um sujeito normal até bozonarar. Genro de Leo Pinheiro, principal “delator de Lula” na Lava Jato, o carioca virou frequentador assíduo das lives presidenciais para disseminar fake news. Enquanto o chefe fala disparates, ele balança a cabeça concordando. Seria engraçado se não fosse trágico. Na condução do banco, há quem diga que Guimarães vai colecionar processos por importunação. Parece que o “pudê” abilolou de vez o cidadão.

O Tucunduba da Vida Real

Enquanto a cachorrada late, a caravana passa: as obras do Tucunduba, paga inteiramente pelo Governo do Estado (financiamento não é aporte) vai seguindo em frente. Grosso modo, metade sai direto do caixa do Estado, 25% são empréstimo da CEF e 25% são empréstimo do Fundo de Garantia. Estes empréstimos foram feitos há muitos anos.

A Prefeitura de Belém foi fazendo o primeiro trecho até 2007. Em 2008 o Governo do Estado assumiu o Tucunduba. Assumiu naquele ritmo Jatene/Zequinha, no passo do jabuti. O fato é que desde seu início até 2019, em 23 anos, a obra tinha andado 1200 metros – da Perimetral até a São Domingos.
Se Helder fosse Jatene, a obra terminaria em 2067 (!).

Mas pescador conta conversa e trabalhador trabalha: no Ritmo Helder, os 2.200 metros finais estão sendo entregues em 3 anos e o canal chegou finalmente à Vileta.

Não É Só Canal

A obra do Tucunduba não é só o canal e o asfaltamento. Por exemplo, dois conjuntos habitacionais um entregue e outro em obras estão colocando 768 famílias em casas até o fim de 22. Mas essa é outra história e conto depois.