Sávio Barbosa - Custodiados assistem à Ópera Die Abreise no Theatro da Paz.

Categorias

Mais Lidas

Custodiados assistem à Ópera Die Abreise no Theatro da Paz.

A programação de reabertura do Theatro da Paz trouxe aos palcos, pela primeira vez no Brasil, a Ópera “Die Abreise”, nesta segunda-feira (30). Inédito também foi o caráter especial de inclusão e ressocialização de custodiadas e custodiados do sistema penitenciário do Pará. A iniciativa do Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (Secult) e Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), é resultado de projetos como o III Curso de Formação em Ópera do Theatro da Paz e Sons de Liberdade, iniciados em abril deste ano.

A primeira récita da ópera ocorreu às 16 h, exclusivamente, para custodiados do sistema penal e funcionários da Seap. A segunda récita ocorreu às 20 h, aberta ao público.

Durante quatro meses, internas do Centro de Recuperação Feminino (CRF) e custodiados da Colônia Penal Agrícola de Santa Izabel (Cpasi), participaram de oficinas profissionalizantes e auxiliaram na produção de figurinos e cenários da ópera. Além disso, os internos participam semanalmente da terapia sonora, que consiste na utilização de sonoridades para a harmonização integral e cura psicoemocional; aulas de música (tendo como base o canto coral e percussão) e espetáculos de grupos de naipes da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz e Amazônia Jazz Band.

“Die Abreise” significa “a partida”, um espetáculo curto, leve e cômico, acompanhado por piano, de autoria do alemão Eugene D’Albert. A obra, baseada na peça de A. Von Steigentesch, estreada em 1898 em Frankfurt, na Alemanha.

Experiências – E foi neste cenário que o interno Jaílson Souza botou em prática o que aprendeu nas oficinas de marcenaria. “Essa foi uma coisa muito importante pra mim, passar por essa experiência, receber essa grande oportunidade que nunca vou esquecer na minha vida. Eu nunca estive no Theatro da Paz. É muito lindo, e tenho a certeza de que logo eu vou voltar aqui”, disse Jaílson.

Para a interna Leilane Sales, o projeto era inimaginável. “Quando os figurinos, em amostra, chegaram ao Centro, fiquei olhando sem acreditar que nós seríamos capazes de produzir algo tão lindo. Hoje é a realização de um sonho. Ver que tudo isso aconteceu de verdade, e hoje estamos aqui para prestigiar esse momento. As pessoas de fora podem até não acreditar no que vivemos hoje, mas realmente esse projeto tira do papel o que é a ressocialização. Mostra pra sociedade, e para nós mesmos, que isso pode acontecer, que a Seap está nos proporcionando esse momento de verdade. É gratificante ver a reinauguração do Theatro com nossa presença e nosso trabalho sendo reconhecido por todos”, ressaltou Leilane.

“Esforço e dedicação” – Para a secretária de Estado de Cultura, Ursula Vidal, o Theatro da Paz abriu suas portas para a reconstrução de uma nova cidadania. “Temos aqui custodiadas e custodiados do sistema penal que estão sonhando conosco. Um caminho pode ser trilhado a partir da profissionalização na arte e na cultura. Ter nesta casa hoje, a partir de um grande esforço, este público, que é um público tão especial que merece da gente uma nova chance no novo momento da vida. É mostrar que a arte é pra todos, que essa casa de espetáculos é do povo paraense. Esse é um capítulo que tem uma entrega muito positiva para a sociedade paraense. Um investimento que o Estado faz na ressocialização, mas também oportunizando aos custodiados e custodiadas o que a gente chama de fruição, ter acesso a sua própria produção de seu trabalho, de sua criatividade, de seu talento dentro dessa casa de espetáculos”, destacou a secretária.

Ainda segundo Ursula Vidal, o “Sons de Liberdade continua profissionalizando esses custodiados e custodiadas que mostraram que seu esforço e dedicação constroem cenários e figurinos lindos como esses; que são capacitados para fazer, por exemplo, a maquiagem dos nossos personagens que entram na ópera. Estamos formando mão de obra, mas estamos, acima de tudo, passando uma mensagem para o povo do Pará: que a cultura é para todos; a justiça é para todos”.

“Renascer” – Para o secretário de Estado de Administração Penitenciária, Jarbas Vasconcelos, “este é um dia importante porque mostra a qualidade do sistema prisional que nós estamos construindo, e também um tipo de gestão que nós estamos conduzindo no Estado do Pará. Esse ato só foi possível graças à interação de duas secretarias: Seap e Secult. Quero agradecer às duas equipes que, quando se juntam, formam uma terceira secretaria, com uma força que pode construir e realizar, com talento e criatividade, uma ação dessas, que mostra a capacidade que todos nós temos de ajudar os irmãos privados de liberdade”.

Jarbas Vasconcelos afirmou ter “certeza que o momento de hoje é um renascer para todos nós: pra nós e pra eles, que estão privados de liberdade. Eu penso que este momento é muito marcante neste Governo, que tem realizado tanto pelo ser humano, em função daquilo que há de melhor em cada um de nós. Tenho a certeza que nada mais redime o homem do que a arte, que atinge a sua essência, o seu espírito, aquela parte que sempre é, e sempre será, livre e liberta, e que impulsiona à frente. Acho que hoje houve uma conversão de espíritos, numa comunhão com o resultado requalificado dessas pessoas à sociedade, buscando alternativas diferentes daquelas que foram oferecidas até hoje pra elas, que sempre foram as alternativas do crime, e hoje oferecemos a alternativa da arte e da cultura, e da educação”.

Informações Iego Rocha – Comus/SECULT | Agência Pará