Sávio Barbosa - No dia internacional do Enfermeiro foi marcado por protestos em Belém.

Categorias

Mais Lidas

No dia internacional do Enfermeiro foi marcado por protestos em Belém.

No combate incansável na linha de frente da pandemia do novo coronavírus, uma das categorias mais atingidas e necessárias nos últimos tempos é a de profissionais da área da enfermagem. Hoje, 12 de maio, é o Dia Internacional, e no Brasil, Dia do Enfermeiro.

A categoria, contudo não faz do momento apenas comemoração e fez o dia de hoje também de atos, presenciais e virtuais, em defesa de melhores condições de trabalho. Uma carreata em Belém saiu da Escadinha da Estação das Docas às 8h rumo à Aldeia Amazônica, no bairro da Pedreira.

Danielle Cruz Rocha, presidente do Conselho Regional de Enfermagem do Pará (Coren-PA) afirma que a maior e mais longa reivindicação dos profissionais da Enfermagem, incluindo ainda auxiliares e técnicos, além de enfermeiros, é a regulamentação da jornada de trabalho, em curso desde 1955, quando a profissão foi regulamentada em lei federal. “A legislação que indica as atribuições dos profissionais da Enfermagem, que já é de 1986, também não trata sobre jornada, então é uma luta antiga”, afirma.

DEMANDAS

Outras demandas abordadas durante as manifestações desta quarta-feira se referem ainda a regulamentação de um piso salarial, de obrigatoriedade de espaços para descanso adequado – é bastante comum a inexistência de locais do tipo em ambientes onde profissionais da Enfermagem enfrentam plantões de 12h/24h. 

“Descansar embaixo de balcão, às vezes até no chão, infelizmente, ocorre muito. A gente quer chamar a atenção para a necessidade de valorização desses trabalhadores”, reforça a presidente do Coren-PA, lembrando que justamente no primeiro ano da pandemia, 2020, foi considerado, pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e a Organização Mundial da Saúde (OMS), o ano da Enfermagem.

No Pará, são 83 mil com cadastro ativo, entre enfermeiros, técnicos e auxiliares. Segundo Danielle, no Brasil, 81% desses trabalhadores ganham até R$ 3 mil, somando às vezes três, quatro empregos simultâneos. “Ocorre de, no dia de folga, aproveitar para fazer um plantão, para complementar a renda. Para ter condições mínimas de sustentar a família, esse profissional tem dois, três empregos, o que compromete a qualidade de vida e também do serviço prestado”, atenta.

Informações DOL