Sávio Barbosa - Dilvanda Faro propõe PL para atendimento humanizado às mulheres surdas vítimas de violência no Pará.

Categorias

Mais Lidas

Dilvanda Faro propõe PL para atendimento humanizado às mulheres surdas vítimas de violência no Pará.

Pará é o 7º estado com mais mulheres vítimas de homicídios e 8º em número de feminicídios, segundo Monitor da Violência

Foi protocolado na Assembleia Legislativa do Estado do Pará (Alepa), nesta terça-feira (19), o Projeto de Lei nº 383/2021 que propõe o atendimento humanizado para mulheres surdas vítimas de violência familiar e doméstica no Pará. De autoria da deputada Dilvanda Faro (PT), o PL busca assegurar que essas vítimas sejam atendidas por profissionais habilitados em Língua Brasileira de Sinais (Libras), nas unidades especializadas no atendimento à mulher.

O Projeto de Lei propõe a implantação da Política de Qualificação do Policial Civil para treinamento e habilitação em Língua Brasileira de Sinais (Libras), visando assegurar às mulheres surdas vítimas de agressão física ou psicológica o direito de serem atendidas nas delegacias de atendimento à mulher do Estado do Pará por meio de servidor treinado em Libras.

De acordo com o Monitor da Violência, o Pará é o 7º estado com mais mulheres vítimas de homicídios e 8º em número de feminicídios. Em 2020, os casos aumentaram 40% em função da pandemia. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (Segup), entre janeiro e dezembro do ano passado, 66 casos foram registrados no estado. No mesmo período, em 2019, haviam sido registrados 47 casos.

Outro número preocupante é o aumento de outros tipos de violência doméstica no Pará. Em 2020, houve 7.241 casos, segundo a Segup. Esse número é cerca de 6% maior do que foi registrado em 2019, quando houve 6.854 casos.

O Pará tem 17 unidades de Delegacia de Atendimento Especializado à Mulher (DEAM). Para assegurar os direitos dessas mulheres surdas é necessário que cada unidade da Delegacias da Mulher tenha pelo menos um policial habilitado Libras para atendimento das mulheres surdas vítimas de violência doméstica e familiar.

Através do Programa de Qualificação Profissional em Libras (QPL), os Policiais Civis poderão realizar um trabalho humanizado durante o registro de ocorrências.

“Quando uma mulher vítima de violência procura uma delegacia é porque ela precisa de ajuda para sair daquela situação. O objetivo do projeto de lei é assegurar as condições adequadas para que as mulheres surdas, vítimas de violência doméstica ou familiar, possam denunciar seus agressores. É desta forma que o poder público, por meio de seus órgãos competentes, poderá agir nesses casos”, destaca a parlamentar.

Comumente, as vítimas relatam a falta de acolhimento no momento das denúncias, o que propicia os sub registros desse tipo de agressão. Não há dados sobre atendimento de mudo/surdo no Pará.